• Caop Saúde Pública

Edição nº 1037 - 30 de janeiro de 2019

Edição nº 1037 - 30 de janeiro de 2019

Atenção: a Febre Amarela retornou ao Paraná.

Entre julho de 2017 e junho de 2018, o Brasil experimentou a maior epidemia de febre amarela silvestre da história. Foram notificados 7518 casos humanos, com 1376 confirmados e letalidade de 35,1% sendo, destes, 99,9% na região Sudeste.

A ocorrência da doença vem evoluindo no Brasil, o que resultou na decisão do Ministério da Saúde de ampliar as áreas com recomendação de vacinação para 100% do território até 2019.

No Paraná, até meados do ano passado, os municípios abrangidos pela 1ª e 2ª Regionais de Saúde (litoral e Curitiba) não eram considerados áreas de risco.

O MS e a SESA/PR intensificaram a imunização, tornando-a obrigatória nos municípios com potencial risco da doença, em virtude do corredor biológico da Mata Atlântica: Adrianópolis, Doutor Ulysses, Tunas do PR, Cerro Azul, Bocaiúva do Sul, Campina Grande do Sul, Quatro Barras, Piraquara, São José dos Pinhais, Tijucas do Sul, Itaperuçu, Rio Branco do Sul, Guaraqueçaba, Morretes, Paranaguá, Matinhos, Pontal do Paraná, Guaratuba e Antonina, este último, local que houve no dia 29/1 a confirmação do primeiro paciente infectado no Paraná (teria contraído o mal em Guaraqueçaba).

Fonte: Mapa Vale do Ribeira, Programa Vale do Ribeira - UFPR. Editado pelo CAOP com dados sobre a febre amarela, 2019.

 

No âmbito do CAOP, tem-se procedido o acompanhamento da progressão dos casos da enfermidade, com indicadores disponíveis, por meio de procedimento administrativo próprio.

Com o mesmo propósito, foi expedido o Ofício Circular nº 4/2019 (clique para acessar), com sugestões  de atuação funcional, somando esforços no combate ao avanço da febre amarela.

 
Recomendar esta página via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem