• Caop Saúde Pública

Edição nº 1086 - 22 de julho de 2020

Edição nº 1086 - 22 de julho de 2020

Fique ligado! O STF confirma a validade e eficácia de decretos estaduais mais restritivos para o combate à COVID-19

No último dia 9 de julho, ao decidir sobre pedido de suspensão de tutela provisória, o Supremo Tribunal Federal confirmou a validade e eficácia de disposições mais restritivas impostas pelos estados aos entes municipais para o enfrentamento da epidemia de Covid-19. A medida judicial foi proposta pelo município de Cabedelo (PB), com o objetivo de sustar os efeitos de decisões proferidas pela 1ª Instância e pelo Tribunal de Justiça paraibano.
Nas razões de seu voto, o Ministro Dias Toffoli ponderou que, no atual momento, é preciso equacionar os conflitos federativos para a tomada de medidas coordenadas e voltadas ao bem comum.
O magistrado fez referência ao recente julgamento da medida cautelar na ADI nº 6.341, que “consolidou o entendimento de que, em matéria de competência concorrente, há que se respeitar o que se convencionou denominar de predominância de interesse, para a análise de eventual conflito porventura instaurado”.
Concluiu, com base nesse precedente, “que a competência dos municípios para legislar sobre assuntos de interesse local não afasta a incidência das normas estaduais e federais expedidas com base na competência concorrente”.
Na avaliação de Toffoli, flexibilizações como a proposta pela municipalidade de Cabedelo podem acarretar impactos para além de seus limites territoriais e, portanto, “em função da gravidade da situação, exige-se a tomada de medidas coordenadas e voltadas ao bem comum, não se podendo privilegiar determinada política local, em detrimento de todo o planejamento regional, ou mesmo do próprio Estado, a quem incumbe, precipuamente, combater as nefastas consequências decorrentes dessa pandemia”.
O entendimento apresentado pela Corte Superior foi antecipado pelo CAOP Saúde na Nota Técnica nº 3, de 2 de julho de 2020, cujo teor foi acolhido e adotado como posicionamento institucional pela Procuradoria-Geral e Corregedoria-Geral do MPPR, por meio da Recomendação Conjunta nº 2/2020.
________________________________________________________
Crédito pela imagem: criada por jcomp - br.freepik.com

O que diz o 2º grau do MPPR

MPPR firmou entendimento, em pronunciamento lavrado pela Procuradora de Justiça Isabel Claudia Guerreiro, ser adequada a manutenção do fechamento de estabelecimentos comerciais não essenciais no município de Umuarama, em razão da epidemia provocada pela Covid-19.

Leia a íntegra da manifestação na seção CAOP Informa (clique para acessar).

 

 

 
Recomendar esta página via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem