• Caop Saúde Pública

Correio da Saúde - Informe nº 588 - 11/02/2010

CORREIO DA SAÚDE

 

SINAL VERMELHO

Na origem, a palavra podia significar criança, recém-nascido, manha, choradeira, em longínquo dialeto africano.

Entre nós, passou a ser denotativa de melindres e trejeitos afetados. Chegou até a identificar uma remota e improvável plantinha silvestre do interior brasileiro, segundo relatam Houaiss e Aulete.

Ao lado disto, porém definiu uma grave enfermidade epidêmica, que na modernidade tem assolado o nosso país.

E o assunto aí abandona a trivialidade.

A Dengue entra na pauta das autoridades sanitárias e na agenda cotidiana das populações de determinadas regiões.

No Paraná, encontra-se presente em vários quadrantes geográficos.

Espera-se o seu recrudescimento, a se julgar pelas recentes notas expedidas pela Secretaria de Saúde do Estado.

Embora o Ministério Público, pela natureza de suas atribuições legais, não esteja na linha de frente das ações destinadas a combater as causas da doença, pode contribuir substancialmente no conjunto de esforços envidados neste sentido.

O Boletim Epidemiológico 1/2010 - SESA, publicado no dia 3 de fevereiro deste ano, evidencia aqueles locais que apresentam mais de 1% de infestação predial - IIP de larvas do aedes aegypt, mosquito que é vetor da dengue:

9ª Regional:
Foz do Iguaçu - 3,82

10ª Regional:
Formosa do Oeste - 3,16

11ª Regional:
Campo Mourão - 8,20

12ª Regional:
Alto Piquiri - 1,60
Icaraíma - 2,07
Iporã - 4,60
Tapira - 3,16
Umuarama - 2,10

13ª Regional:
Cianorte - 3,30

14ª Regional:
Paranavaí - 9,40

15ª Regional:
Ângulo - 13,90
Astorga - 10,06
Atalaia - 1,03
Doutor Camargo - 24,60
Floraí - 2,00
Floresta - 1,42
Iguaraçu - 1,79
Ivatuba - 3,09
Mandaguari - 8,60
Marialva - 3,80
Maringá - 3,80
Munhoz de Mello - 8,80
Nossa Senhora das Graças - 1,27
Paiçandu - 8,90
Paranacity - 8,21
Santa Fé - 3,69
Santo Inácio - 4,64
Uniflor - 3,26

16ª Regional:
Apucarana - 7,90
Arapongas - 2,00
Cambira - 2,19
Faxinal - 2,50
Jandaia do Sul - 4,24
Marilândia do Sul - 3,02
Rio Bom - 2,08

17ª Regional:
Alvorada do Sul - 3,75
Assaí - 10,95
Cambé - 9,20
Florestópolis - 6,54
Guaraci - 3,33
Ibiporã - 2,40
Jaguapitã - 1,76
Jataízinho - 5,87
Londrina - 4,50
Lupionópolis - 8,78
Porecatu - 18,37
Prado Ferreira - 1,46
Primeiro de maio - 1,12
Rolândia - 4,00
Sertanópolis - 4,29

18ª Regional:
Bandeirantes - 3,20

20ª Regional:
Assis Chateaubriand - 2,29
Diamante do Oeste - 3,70
Entre Rios do Oeste - 4,51
Guaíra - 4,45
Marechal Candido Rondon - 6,95
Maripá - 1,24
Mercedes - 15,45
Ouro Verde do Oeste - 2,22
Palotina - 4,57
Pato Bragado - 3,13
Quatro Pontes - 17,50
Santa Helena - 3,03
São José das Palmeiras - 2,75
Terra Roxa - 7,70
Toledo - 2,90
Tupãssi - 2,45

21ª Regional:
Telêmaco Borba - 1,19

 

Sobre o assunto, estabelece a Portaria SVS MS nº 29/06 os parâmetros que caracterizam situação de iminente perigo à saúde pública pela presença do mosquito transmissor da Dengue.

Assim sendo, tipifica-se situação de especial risco quando a presença do mosquito transmissor da Dengue - o Aedes aegypt - for constatada em 1% (um por cento) ou mais dos imóveis do município, da localidade, do bairro ou do distrito, como é o caso dos municípios referidos.

Há concreta possibilidade de dano à saúde da população.

Tal circunstância deve deflagrar a imediata intensificação das ações preconizadas no Programa Nacional de Controle da Dengue, em especial a realização das visitas domiciliares para eliminação do mosquito e de seus criadouros em todos os imóveis da área afetada, bem como a mobilização social para as ações preventivas.

Propõe-se, portanto, que, com a urgência possível, através de ofício das Promotorias de Justiça em cujo território se encontra qualquer dos municípios relacionados, seja indagado ao respectivo Secretário de Saúde as providências determinadas para intensificar ações sanitárias nos termos da Portaria SVS MS nº 29/06, em face do elevado índice de infestação apurado.

 

Matérias relacionadas: (links internos)
»  Correios da Saúde (índice)
»  Dengue (índice de matérias)
»  Portaria Nº 029, de 11 de julho de 2006

Referência: (link externo)
»  Portaria Nº 029, de 11 de julho de 2006 (Ministério da Saúde)

Recomendar esta página via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem