• Caop Saúde Pública

Correio da Saúde - Informe nº 791 - 30/08/2013

Edição nº 791 | Curitiba, 28 de agosto de 2013

mais médicos no paraná

Três em cada cinco profissionais recrutados ao final da primeira fase do programa Mais Médicos para trabalhar no Paraná têm registro estrangeiro. O Ministério da Saúde divulgou que o Estado vai receber 98 novos médicos, sendo 56 (57%) com registro de outros países e 42 (43%) do Brasil.

O total de selecionados preenche 10% das 969 vagas solicitadas por 286 municípios paranaenses, dos quais 27 (9%) estão contemplados com pelo menos um profissional. (62).

O Paraná é o terceiro estado preferido dos médicos com registro estrangeiro, atrás de São Paulo (79) e Rio Grande do Sul (62).

Clique aqui e leia matéria jornalística sobre o assunto.

sonho de verão

Contar com um plano privado de assistência à saúde é o terceiro maior desejo dos brasileiros, atrás somente da casa própria e da educação.

Pesquisa realizada pelo Datafolha, em 2012, a pedido do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), constata que os principais motivos são: qualidade do atendimento (47%); precariedade da saúde pública (39%); e segurança (18%).

Foram entrevistadas 3,32 mil em oito regiões metropolitanas.

Clique aqui para ler a matéria completa.

saúde no campo e na floresta

O Sistema Único de Saúde, com objetivo de promover melhorias na atenção e acesso a grupos sociais vulneráveis, reconhecendo especificidades de gênero, raça e etnia e visando à redução de riscos decorrentes dos seus processos de trabalho, executa a Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta (PNSIPCF).

Tal grupo, que necessita de cuidados compatíveis com suas peculiaridades, é formado por povos e comunidades que têm seus modos de vida relacionados predominantemente com ambientes aquáticos, agropecuária e extrativismo. Destacam-se os camponeses, os agricultores familiares, trabalhadores rurais assentados, acampados, assalariados e temporários, que residam ou não no campo; comunidades remanescentes de quilombos; populações que habitam ou usam reservas extrativistas; populações ribeirinhas; populações atingidas por barragens e outras comunidades tradicionais.

Somadas, estas populações representam aproximadamente 31 milhões de pessoas, ou seja, 16,5% da população brasileira.

Se nos municípios de sua comarca existem usuários nessa categoria, leia abaixo os atos normativos da PNSIPCF.


as brasileiras e o aborto

Uma em cada sete brasileiras já fez pelo menos um aborto. Entre as que estão na faixa dos 35 aos 39 anos, o índice sobe para 22% (uma em cada cinco).

Os dados revelam que, ao contrário do que diz o senso comum, a decisão de interromper a gravidez não é restrita a adolescentes ou mulheres mais velhas, evidenciando-se no auge do período reprodutivo.

Medicamentos abortivos foram usados em metade dos casos pesquisados. É provável que para a outra metade das mulheres a interrupção da gravidez tenha ocorrido em condições precárias de saúde. Houve internação de 55% das grávidas, por causa de complicações.

Os dados são da Pesquisa Nacional de Aborto, realizada em 2010, que entrevistou cerca de 2 mil mulheres entre 18 e 39 anos de todo o país.

Leia mais aqui.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

Recomendar esta página via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem