• Caop Saúde Pública

Correio da Saúde - Informe nº 819

Edição nº 819 | Curitiba, 16 de abril de 2014

maré negra

O mundo corre o risco de enfrentar um “maremoto” de casos de câncer nos próximos anos e os gastos com o tratamento da doença estão ficando descontrolados. A estimativa é que 14 milhões de pessoas sejam diagnosticadas todos os anos com a doença e que esse número aumente para 19 milhões em 2025 e 24 milhões em 2035.

O alerta foi feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS), no Dia Mundial do Câncer (4/2), e consta do Relatório Mundial do Câncer 2014, organizado pela OMS e pela Agência Internacional para a Pesquisa sobre Câncer. (Revista RADIS nº 138, mar/2014).

Leia o relatório. (site da OMS, em françês).

a constipação de fernando pessoa

Tenho uma grande constipação,
E toda a gente sabe como as grandes constipações
Alteram todo o sistema do universo,
Zangam-nos contra a vida,
E fazem espirrar até à metafísica.
(...)
Excusez un peu... Que grande constipação física!
Preciso de verdade e da aspirina.


(Sem título, 14.3.31, Álvaro de Campos)

sus: 1ª e 2ª classe

O Supremo Tribunal Federal realizará audiência pública para ouvir autoridades e especialistas sobre a chamada “diferença de classe"(*) no internamento hospitalar pelo SUS.

O RE 581488, com repercussão geral reconhecida, foi interposto pelo Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul (CREMERS) contra decisão da Justiça Federal da 4ª Região desfavorável a sua pretensão de restabelecer a prática, proibida desde 1991.

Segundo o relator, ministro Dias Toffoli, a questão trazida ao STF, além de apresentar relevância jurídica e social, envolve importantes interesses jurídicos, como o acesso universal e igualitário às ações e aos serviços de saúde e a complementaridade da participação do setor privado na saúde pública e reclama análise que ultrapassa os limites estritamente técnicos, demandando uma abordagem do impacto administrativo e econômico da “diferença de classe” e do seu efeito nos procedimentos de triagem e no acesso ao SUS.

A audiência pública ocorrerá no dia 26/5. O Procurador-Geral da República está convidado para participar. Leia aqui o despacho convocatório.


* possibilidade de melhoria no tipo de acomodação do paciente e a contratação de profissional de sua preferência mediante o pagamento da respectiva diferença.


raça, gênero e saúde

Estudo publicado na revista Sáude em Debate, nº 37, do CEBES, questiona o assunto Mulheres negras e brancas e os níveis de acesso aos serviços preventivos de saúde.

Sustenta-se que determinantes sociais influenciam o acesso das mulheres aos serviços preventivos de saúde. O texto busca demonstrar que mesmo as mulheres negras com melhor renda, nível de instrução e ocupação no mercado de trabalho, em alguma medida, são prejudicadas pela impossibilidade de realização desses exames, podendo-se afirmar que as políticas de atenção à saúde não estão sendo suficientemente implementadas.

Outra conclusão importante é que o racismo institucional - devido a fatores de contexto histórico, cultural e político - funciona como barreira aos serviços preventivos para a saúde das mulheres negras e que tais desigualdades são determinantes sociais que impactam nas condições de vida e no processo de adoecimento desta parcela da população.

Leia a íntegra aqui.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ

Recomendar esta página via e-mail:
Captcha Image Carregar outra imagem